A Cervejaria Vinil nasceu de um projeto pioneiro no Brasil.Três marcas se uniram para compartilhar uma planta industrial, produzir e comercializar suas cervejas.  A Cervejaria Inconfidentes foi fundada em junho de 2013 pelos então sócios das cervejas Grimor, Jambreiro e Vinil. Foram quatro anos de conquista de mercado, lançamentos de novos produtos e divulgação das marcas. Em dezembro de 2016 e em fevereiro deste ano, a Cervejaria Jambreiro e a Grimor se desligaram da Inconfidentes e a Vinil passou a ser a única marca de cerveja a ser produzida. A saída das duas marcas coincidiu com a entrada de novos sócios e reestruturação.

Antes a Vinil era dirigida pelos sócios Daniel Pinheiro, Fabrício Bastos e Ricardo Marques. Agora, Gustavo Moreira e Carlos Ruttemberg entram para agregar e dar uma nova perspectiva à cervejaria nessa nova fase. Com a chegada dos novos sócios foi possível implementar um novo plano de negócios que inclui investir em marketing estratégico, gestão, estruturação de seu departamento comercial, maquinário e pessoal. Hoje a cervejaria atinge a marca de produção de 15 mil litros por mês. O objetivo é atingir em dois anos a meta de 50 mil litros por mês, com investimentos em expansão de adega e maquinário de envase, mantendo a mesma estrutura física da Cervejaria Inconfidentes.

“A planta passará gradativamente por expansão de sua adega de fermentadores. A cozinha da Cervejaria Inconfidentes tem capacidade nominal de produção de 120 mil litros por mês, o que significa que em resposta à demanda podemos expandir rapidamente a produção apenas com a aquisição de tanques fermentadores. Consequentemente ao aumento de produção, os equipamentos para envase de barris e garrafas também deverão ser ampliados em capacidade de produtividade”, explica Gustavo Moreira.

Hoje a Vinil possui conta com vinte e cinco pontos de venda e participação garantida nos principais eventos cervejeiros e gastronômicos do estado. Para atender outras cidades e estados parcerias com lojas de comercialização virtual (e-commerce) serão firmadas. “Quando se investe em qualidade de envase em garrafas e aumento de produção, temos uma grande oportunidade de ganhar mercados geograficamente mais distantes da fábrica e, consequentemente, em aumentar o volume de produção. Isto será um de nossos focos, com certeza”, adianta Fabrício.

As receitas são elaboradas por Daniel Pinheiro e produzidas pelo cervejeiro Fabrício Bastos. “Não há nenhuma previsão de alteração em receitas das cervejas, apenas nos processos”, complementa Fabrício. Hoje, a Vinil possui seis rótulos: a Vinil 33 rpm, uma Bohemiam Pilsener; a Vinil 45 rpm, uma British IPA; a Vinil 78 rpm, uma Stout; a Vinil Tropicália lado A, uma Weiss; a Vinil Tropicália lado B, uma Hop Weiss; a Vinil Baba ESB, uma Extra Special Bitter, além do chopp German Pilsen. Todos em versão garrafas e chopp, exceto o último que é comercializado apenas como chopp. Ainda este ano, no mínimo dois novos rótulos serão lançados. Um deles é uma Imperial IPA, com potentes 8% de teor alcoólico e 75 IBUs, uma receita antiga, dos tempos de cervejeiro caseiro. O outro rótulo a ser lançado ainda é surpresa.

A identidade visual da Vinil também foi reformulada. A proposta foi a repaginação com um conceito mais forte da marca com elementos que representam movimento e rotação, um uma topografia exclusiva, desenhada exclusivamente pela Melt Comunicação. Cerveja e música foram a essência do processo criativo, buscando também representar graficamente a solidez que a marca já possuía.

A Melt reestilizou os rótulos da linha rpm mas manteve as ideias originais com uso de novos elementos adequados para o flat design. Os novos rótulos elípticos foram desenhados com base em círculos e linhas, elementos que fazem parte do disco de vinil (mesmo que de forma subjetiva) e as informações foram distribuídas e recolocadas em pontos estratégicos que facilitam a leitura e a identificação imediata de cada rótulo.

 

As cores básicas foram mantidas, mas agora existe uma nova harmonia entre elas. “Para os rótulos da Tropicália Lado A e Tropicália Lado B, por exemplo, pensamos em mudanças e movimentos constantes. A inspiração para a criação dos rótulos foi a releitura de álbuns de Gilberto Gil e Caetano Veloso na época do movimento Tropicália, nos anos 60. Esses álbuns foram muito influentes na cultura musical brasileira e construíram uma estética revolucionária”, declara o diretor de criação, Frank Medeiros.

É muito bom saber que as cervejarias estão investindo, crescendo e fomentando cada vez mais o universo cervejeiro. Nós aqui do Barba tivemos a honra de experimentar a Vinil 45 rpm, uma British IPA e estamos curiosos para experimentar os lançamentos.

E você? Conhece a Cervejaria Vinil? Conte aqui pra gente qual rótulo mais gosta.

Um abraço!